Arroz, feijão e chipas


Estacionamento antes da ponte, chefe?. E o cara bate no seu vidro com toda a força. Estacionar, patrón?, outros três chicos se jogam na frente do carro, agora depois da ponte. A calçada você não enxerga, os ambulantes tomaram conta de tudo. É lixo na rua, gente te puxando para dentro das lojas, vendedoras de meia, carros, vans, motos e pessoas brigando por um espaço. Caos no trânsito e muitas, mas muitas lojas, a maioria de procedência suspeita. É essa a Ciudad Del Este que quase todos os brasileiros conhecem. O que muita gente nem imagina é que existe uma outra cidade por trás dessa loucura toda. Eu fui conhecer. Passei dois dias na região e pude olhar uma Ciudad Del Este diferente: cheia de verde, com ruas mais largas e muitas casas. Uma cidade que gira em torno da Itaipu. O trânsito nessa área também é um pouco doido, é verdade. Praticamente não há sinaleiros e os carros se atravessam uns na frente dos outros. O transporte coletivo também é uma vergonha. Ônibus pequenos e muito velhos que andam com a porta aberta e, em horários de pico, tem gente pendurada por todas as partes (tá, isso existe no Brasil também). Mas sem contar esses detalhes, e o fato dos seguranças de lojas e casas de câmbio andarem armados com escopetas, a cidade me agradou. Passei esses dois dias na casa de uma família Servas. Explico. O Servas é um programa que nasceu na Dinamarca em 1949 com o intuito de disseminar a paz no mundo. A ideia deu tão certo que hoje existem milhares de pessoas de inúmeros países que fazem parte da rede. Eu sou uma delas. Dentro do Servas, pode-se conhecer lugares, costumes e culturas hospedando-se nas casas de anfitriões. A família da Magdalena e do Rafael Ortiz foi meu primeiro contato com o Servas e foi uma experiência muito boa. Fui bem recebida por eles e por Tatiana e Guillermo, filhos do casal. Numa casa ampla e cheia de verde, onde se pode colher abacate e acerola do pé, pude conhecer um pouco sobre a cultura desse país que é tão discriminado por nós, brasileiros. A casa fica numa área onde moram funcionários da Itaipu. É dentro da cidade, mas bem afastada do centro. Eu me senti totalmente à vontade na minha primeira parada fora do Brasil. Magdalena é brasileira e Rafael, paraguaio. Quem passa por lá, e olha que já foram muitos hóspedes, entre Servas e não Servas, pode observar a confusão de idiomas. Um fala em espanhol, outro responde em português e o outro acaba misturando as duas línguas. Mas todos se entendem, inclusive o seu Gualberto, pai de Rafael, 90 anos, e que, tirando um problema de audição, tem uma saúde de ferro. Os dois cachorros da família, Rex e Fiona, também parecem entender. Nesses dois dias, fiz um tour pela cidade, fui jantar num restaurante japonês, fui a um barzinho, passei por três países na mesma tarde e ainda conheci Itaipu. Mas, sem dúvida, o que mais me deixou alegre foi o fato de ter convivido com pessoas tão especiais.

 

 

rafael e magdalena

rafael e magdalena

 

guillermo, tatiana (os anfitriões) e rodrigo

guillermo, tatiana (os anfitriões) e rodrigo

 

 

Curiosidades:

– Itaipu em Guarani significa pedra que canta. A parte da usina que fica no Paraguai não está em Ciudad Del Este. Ela fica em Hernandarias, um município vizinho.

– Chipa, que está no título do blog, é uma espécie de pão de queijo paraguaio. A receita leva farinha de milho, queijo e polvilho. Delícia!

– Oito brasileira, sete paraguaia. É assim que o pessoal que mora lá se entende com os horários. É que o Paraguai está uma hora atrasado com relação ao Brasil.

 

 

Os posts de Ciudad Del Este ainda não acabaram. Já estou em Buenos Aires mais ainda tenho umas coisinhas para contar.

Anúncios

7 Comentários

Arquivado em Pelo mundo

7 Respostas para “Arroz, feijão e chipas

  1. Juliane

    Hummm, chipa é uma delícia mesmo. Lá em Campo Grande era bastante comum, algum paraguaio deve ter levado a receita pra lá. Beijos!

  2. Joyce

    Adorei o blog, Rê! Parabéns! Te adoro. Beijos. Joy.

  3. Joyce

    Rê, adorei o blog!!!!!!!!!! Parabéns!!!!! Te adoro. Joy.

  4. Tatiana

    aiii q tudo, to no blog da Re!! Hahahaha
    tah muito legal!! =***

  5. Corina

    Oi Rê!!
    que ótimo esse blog hein..bem mais divertido para ver as novidades.
    guriaaaa…adorei a borboleta do post passado e agora quero comer a tal da chipa!!!
    ahhh eu vc já está em Buenos Aires..que saudade dessa cidade…
    bju da Coraina
    =)

  6. Lu

    Oi1 Isso tá tudo muito legal! As cataratas são lindas mesmo né? e essa borboleta 88 tá meio em instinção, mas esses dias vi uma aqui no centro! Coloca os créditos da foto do blog, porque modestamente tá muito bonita. rsrsrs

  7. Fabi

    Humm… que saudade de comer chipas!!! Lá em Campo Grande tem por causa da influência paraguaia! Os posts estão ótimos! Beijo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s