Mais uma linda viagem de ônibus e…San Pedro de Atacama


Eu queria ficar até domingo (dia 26), mas Patricia achou melhor sairmos de Tilcara logo e rumarmos para San Pedro de Atacama, no Chile. Compramos a passagem para quinta-feira, dia 23. Compramos em Jujuy para embarcar em Purmamarca (que fica a apenas meia hora de Tilcara). Madrugamos e chegamos na parada, em frente a um hotel de Purmamarca, às 8h30. O ônibus passaria às 9h30. Já tinha gente esperando.

Foi o dia mais gelado da minha vida. Achei que meus pés iriam adormecer e cair. Fazia um frio absurdo e o sol demorou a aparecer, já que a cidadezinha fica entre as montanhas. Parecíamos um bando de loucos na beira da estrada, correndo de um lado para o outro para esquentar. 9h30 e nada. 10 horas, nem sinal. Passou o primeiro ônibus e pegou metade do pessoal. Nós duas e o resto esperaríamos o segundo (são empresas diferentes). O veículo acabou passando às 11 horas, quando o sol já estava brilhando e se podia ver com nitidez o Cerro de los Siete Colores. Mas continuava frio. Mas uma vez o que valeu foi a paisagem em Purma e todo o caminho até San Pedro. Algo surreal e maravilhoso. Uma Cordilheira dos Andes diferente das que eu já tinha visto, um salar bem no meio da estrada e vulcões lindos.

estrada argentina - chile

estrada argentina - chile

Passamos pela aduana argentina, entre as montanhas, e duas horas depois já estávamos em San Pedro. O controle imigratório chileno fica na cidade. Um encanto de cidade, por sinal. Linda. A rua principal, Caracoles, parece que foi construída somente para o turismo. Cheia de restaurantes e barzinhos super charmosos e super, super caros. Se eu pagava 2.700 pesos chilenos (560 equivale a mais ou menos 1 dólar) por um menu com entrada, prato principal, bebida e sobremesa em Santiago, aqui o preço médio fica entre 5 e 8 mil (às vezes sem bebida).

Os arredores de San Pedro reservam vales espetaculares, com formações que lembram a lua (como o Valle de la Luna), uma cordilheira de sal, o Salar do Atacama (com 100 quilômetros de comprimento e 40 de largura), lagoas, gêiseres. Enfim, para quem gosta de natureza diferente, esse é o lugar. As raízes indígenas também estão muito presentes. Há um sitio arqueológico a 3 quilômetros da cidade, chamado Pukará de Quitor, com as ruínas de uma civilização de índios aymará que foi colonizada pelos incas no início do século XVI e depois dizimada pelos espanhóis numa sangrenta batalha que ocorreu em 1540.

O mais legal é alugar uma bicicleta (cerca de 5 mil pesos chilenos pelo dia inteiro) e sair percorrendo as ruazinhas da cidade, cheias de casas de adobe, e toda essa região lindíssima. É uma cidade que, se não fosse pelo alto custo, eu ficaria por muitos e muitos dias só curtindo o astral do deserto e as estrelas (San Pedro é também um centro para observação do céu) e, é claro, olhando e olhando os Andes e o vulcão Licancabur (xxxx m), na fronteira com a Bolívia.

Mais:

– San Pedro fica num altiplano, a duas horas da fronteira com a Argentina e meia da divisa com a Bolívia. Encontrei a Ninoska, uma canadense que conheci em El Calafate. Ela está em um dos meus posts sobre El Chatén, fomos juntas fazer trekking lá.

– Por aqui se faz uma das excursões mais famosas da região: a do Salar de Uyuni, o maior deserto de sal do mundo. Olhando o preço, vi que os tours por aqui são bem mais caros do que pela Bolívia, mas eu não podia deixar de visitar essa partezinha do Deserto do Atacama.

– Ficamos num hostal bem tranquilo e um pouco longe do centro, chamado Hara. A maioria do hostals e hostels daqui são muito simples. Pagamos 8 mil por pessoa com café da manhã e banho quente 24 horas por dia. Muito importante no inverno do deserto, que é muito, muito frio. O HI daqui não tem cozinha e nem banho quente. Fuja dele.

– No nosso último dia em San Pedro, fomos conhecer o Gêiser del Tatio, que fica a uma hora e meia de San Pedro. O horário de maior atividade dele é das 6 às 7 da manhã, por isso, acordamos à 3 da matina e rumamos numa excursão para lá. Temperatura: -15 graus. Mas vale a pena. (os gêiseres são formados pelo contato de águas subterrâneas frias e pedras quentes).

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Pelo mundo

2 Respostas para “Mais uma linda viagem de ônibus e…San Pedro de Atacama

  1. lurdes boeing casagrande

    Estarei indo ao Atacama em setembro. Estou tendo dificuldade de informações sobre onibus que faz o trajeto de Salta a San Pedro de Atacama. Alguem pode me ajudar? Gostaria de saber se há onibus diariamente, se posso deixar para comprar a passagem quando chegar a Salta, etc. etc. Grata, Lurdes

  2. inventaomundo

    olá Lurdes
    existem duas companhias que fazem o trajeto Salta – San Pedro: a Pullman e a Geminis. As duas são igualmente confortáveis. Os onibus saem três vezes por semana, às quintas, sextas e domingo (pelo menos era assim quando fui), de manhã. Você pode comprar quando chegar a Salta sim, mas acho legal comprar com uma antecedência de uns três a cinco dias. Melhor ir ao terminal de ônibus se informar assim que chegar na cidade, pois muitos mochileiros fazem esse trajeto. A viagem vale super a pena, é maravilhosa. espero ter ajudado. beijos, Renata

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s